A ELBA na Internet

Logo depois, nachtraglichkeit, après-coup, a posteriori. Diferentes idiomas para dizer que a história daquele ser chamado “humano” pode ser redefinida de diferentes formas. Grandes mudanças a partir de revoluções, descobrimentos, reinados, fins de impérios, independências, guerras. 

 

​Pensamos que também poderia ser definida  – e diferenciada – a partir  das modalidades da escritura.​Escritura que, para ser, precisava-se ir às pedras para escrevê-la. Depois nas argilas. Depois nos papiros. O que já deixou de implicar um ir para. A partir daí, de quando a pedra virou papiro, o lugar da escrita podia ser carregado com o escrevente. E o papiro, pergaminho. E o pergaminho, papel. Não foi mais necessário ir para escrever (embora os atuais “grafitis” possam ser uma forma nostálgica de lembrar esses velhos tempos).

Porém não só os “grafitis” retornam aos velhos tempos. Curiosamente agora, desde algum tempo, se volta a ir para. Não ir para as paredes das cavernas mas  ir para o computador. Repetição que, como sempre, é também a repetição de uma diferença. Algo novo. Continuar lendo »